Notícias e orientações

     A equipe da DFV Neuro, preocupada com o bem estar de seus pacientes, separou um espaço para compartilhar dicas, orientações e novidades de saúde. Acompanhe aqui as orientações dos nossos médicos.

Assuntos abordados

Navegue pelas tags ao lado para encontrar o assunto de seu interesse

07/08/2016

A radiocirurgia é uma modalidade de tratamento radioterápico capaz de entregar altas doses de radiação exclusivamente à lesão de interesse e poupando relativamente estruturas nobres ao redor. Com essa técnica, é possível aplicar toda dose necessária em uma única sessão, de maneira semelhante ao que ocorre em uma cirurgia. Daí o nome radiocirurgia.

Existem algumas modalidades de radiocirurgia, sendo as principais as realizadas por meios de aceleradores lineares de raios X (LINAC) e Gamma Knife (utilizando raios gama). O tratamento de lesões-alvo depende da causa, tamanho, localização e planejamento cuidadoso das cargas de radiação distribuídas ao longo de crânio e coluna.

Metástases, tumores primários (gliomas, meningiomas, neurinomas) e malformações vasculares podem ser tratados com radiocirurgia. Até o tratamento de dor e outros distúrbios pode ser feito com aplicação de radiocirurgia.

07/08/2016

À semelhança do que ocorre com ossos longos do corpo, como fêmur, tíbia e úmero, os ossos do crânio também podem sofrer impacto decorrentes de traumatismo por acidentes automobilísticos, quedas, violência urbana com instrumentos contundentes e armas de fogo. Esses traumatismos são especialmente frequentes nas crianças, devido ao grande tamanho da cabeça em relação ao corpo e peso da mesma; em idosos, devido à instabilidade de marcha e desequilíbrio e também em motociclistas sem proteção do capacete.

No crânio, as fraturas podem ser de menor energia, causando um ´´trincamento`` do osso sem maiores repercussões, ou de maior energia, causando fratura em múltiplos pedaços, afundamento craniano e sangramentos adjacentes. O grande detalhe dos ossos cranianos é que são nutridos por uma intensa rede de vascularização arterial e venosa e envolvem todo o encéfalo. Dessa forma, fraturas cranianas podem vir associadas com diversas complicações incluindo hematomas cerebrais,...

07/08/2016

Hematomas cerebrais ocorrem por ruptura e extravasamento do sangue de dentro dos vasos (arteriais ou venosos) para tecido circunjacente. O cérebro e os contéudos internos dentro da caixa craniana são tecidos moles protegidos por todos os lados pelo esqueleto rígido. No entanto, após traumatismos, o tecido mole pode se chocar contra o crânio rígido e haver forças de ruptura de vasos sanguíneos.

Geralmente se classificam esses hematomas em alguns subtipos de acordo com a localização extradural, subdural, intraparenquimatoso. Cada tipo de hematoma possui um mecanismo de formação específico, com diagnóstico e tratamento também específico.

A depender da intensidade do traumatismo ou de fatores de risco, como uso de medicações antiagregantes e anticoagulantes, o traumatismo pode ser de intensidade leve a grave, incluindo com risco de morte para o paciente.


 

07/08/2016

Após traumatismos cranianos, principalmente em casos severos, pode haver sequelas neurológicas graves, principalmente motoras e cognitivas. As lesões encefálicas podem gerar prejuízos no controle e coordenação muscular além de déficits de linguagem, memória, e capacidade de atenção, concentração e vontade.

Poucas décadas atrás, não existiam recursos humanos e técnicos para reabilitar esses doentes. Atualmente, o conhecimento neurofisiológico mais apurado e desenvolvimento de multidisciplinaridade permitiu a evolução da reabilitação desses casos.

A reabilitação conta com a participação do neurocirurgião, neurologista, médico intensivista, fisiatra, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiologista, nutrólogo e nutricionista, além de equipe especializada de enfermagem.

O objetivo é otimizar todas as funções remanescentes e recrutar e treinar funções perdidas, permitindo recuperação. Adiciona-se a isso a utilização de psicofármacos que otimizam o funcionamento...

07/08/2016

A coluna cervical é a porção mais alta da coluna vertebral e composta por 7 vértebras (de C1 a C7), repousando acima do tórax e no pescoço. Ela suporta o peso da cabeça e possui uma delicada estrutura óssea e ligamentar que permite uma capacidade de movimentação ampla, com flexão, extensão, lateralização e rotação. Ela é especialmente suscetível a traumatismos, principalmente devido à sua mobilidade e menor proteção. Esses traumatismos podem ser automobilísticos, decorrentes de quedas e até da prática de esportes.

Por dentro do canal vertebral que percorre toda a extensão da coluna, caminha a medula espinhal e as raízes dos nervos que conferem sensibilidade ao corpo e movimentos aos músculos dos membros. Dessa forma, traumatismos da coluna cervical podem gerar déficits neurológicos envolvendo todos os músculos de braços e pernas, com grande morbidade.

O tratamento do traumatismo da coluna cervical varia desde analgesia e repouso até necessidade de cirurgias para...

07/08/2016

A osteoporose é uma enfermidade que afeta a qualidade do tecido ósseo, deixando-o mais fraco e poroso e dessa forma bem menos resistente. É mais frequente em mulheres sedentárias, magras e brancas e decorre da incapacidade metabólica de acúmulo de cálcio e outros minerais à estrutura óssea, que se torna frágil e quebradiça.

Pacientes com osteoporose tem um risco elevado de fraturas, especialmente no antebraço, fêmur e coluna lombar. Fraturas da coluna lombar secundárias à osteoporose necessitam de tratamento clínico visando fortalecimento do tecido ósseo e, às vezes, necessitam de tratamento cirúrgico, especialmente quando essas fraturas cursam com dor insuportável ou compressão da medula espinhal por fragmento de coluna fraturada. O tratamento neurocirúrgico pode ser realizado através de técnicas percutâneas ou cirurgias convencionais abertas, dependendo de aspectos técnicos.


 

07/08/2016

Meningiomas são tumores derivados das membranas que revestem o encéfalo e medula (as meninges). São tumores na sua maioria benignos, embora haja subtipos com maior malignidade. Podem acontecer em qualquer lugar no eixo encéfalo-coluna e geralmente causam sintomas quando, ao crescerem, comprimem estruturas vizinhas.

São tumores que podem acontecer em pessoas jovens e adultos e podem surgir ou crescer por efeito de radioterapia ou reposição hormonal (especialmente em mulheres).

O diagnóstico é muitas vezes realizado ao acaso, por ocasião de exame de neuroimagem realizado para outro propósito. O tratamento depende do tamanho dos tumores, características de agressividade, taxa de crescimento e sintomas. O acompanhamento regular pode ser ideal em tumores assintomáticos, sem características de agressividade e pequenos. Já em lesões sintomáticas e com crescimento documentado a remoção cirúrgica é a alternativa de escolha e com boa chance de cura, sendo radioterapia e qu...

07/08/2016

A radioterapia é uma técnica de tratamento do câncer e de outras doenças que consiste em administrar doses de radiação ionizante ao tecido biológico, induzindo alterações que culminam com a morte celular. Cada tipo de tumor, por suas características proliferativas e genéticas, possui um perfil diferente de resposta à radioterapia. Aqueles muito sensíveis à radioterapia são denominados radiossensíveis. Aqueles resistentes são chamados radiorresistentes, além de tumores com resposta intermediária ou parcial.

A radioterapia possui efeito em praticamente todos os tipos de tumores malignos do cérebro, crânio, medula e coluna vertebral. Ela é utilizada como parte do tratamento em doenças originadas nesses tecidos e também em metástases. Pode ser inclusive utilizada em lesões benignas com difícil controle por cirurgia exclusiva, como ocorre em alguns casos de meningiomas e adenomas de hipófise.

A dose de radiação utilizada e o regime de administração da dose depende do...

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Voltar ao topo